19 de julho de 2024

Hamas aceita proposta dos EUA para conversar sobre reféns israelenses



O Hamas aceitou uma proposta dos Estados Unidos (EUA) para iniciar conversações sobre a libertação de reféns israelenses,16 dias após a primeira fase de um acordo destinado a pôr fim à guerra de Gaza, disse uma fonte sênior do Hamas à Reuters neste sábado (6).

O grupo militante islâmico abandonou a exigência de que Israel primeiro se comprometesse com um cessar-fogo permanente antes de assinar o acordo, e permitirá que as negociações cheguem a isso durante a primeira fase de seis semanas, disse a fonte à Reuters sob condição de anonimato.

Uma autoridade palestina próxima aos esforços de paz mediados internacionalmente havia dito que a proposta poderia levar a um acordo-quadro se fosse aceita por Israel e encerraria a guerra de nove meses entre Israel e o Hamas em Gaza.

Uma fonte da equipe de negociação de Israel disse na sexta-feira que havia chance real de se chegar a um acordo. Isso marcou um forte contraste em relação a outras posturas na guerra de nove meses em Gaza, quando Israel disse que as condições impostas pelo Hamas eram inaceitáveis.

Um porta-voz do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário neste sábado, o Sabá judaico. Ontem, seu gabinete disse que as conversações continuariam na próxima semana e enfatizou que as lacunas entre os lados ainda permaneciam.

O conflito já custou a vida de mais de 38 mil palestinos, de acordo com as autoridades de saúde de Gaza, desde que o Hamas atacou cidades do sul de Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e fazendo cerca de 250 reféns, de acordo com dados oficiais israelenses.

A nova proposta assegura que os mediadores garantirão um cessar-fogo temporário, a entrega de ajuda e a retirada das tropas israelenses, enquanto as negociações indiretas continuarem para implementar a segunda fase do acordo, disse a fonte do Hamas.

Os esforços para garantir um cessar-fogo e a libertação de reféns em Gaza se intensificaram nos últimos dias com a diplomacia ativa entre Washington, Israel e Catar, que está liderando os esforços de mediação a partir de Doha, onde a liderança exilada do Hamas está sediada.

Uma fonte regional disse que o governo dos EUA estava se esforçando para garantir um acordo antes da eleição presidencial em novembro.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.