20 de maio de 2024

Campanha do Abril Verde promove mais de mil atendimentos no Terminal de Transporte Urbano

Nesta quarta (09) e quinta-feira (10), o Terminal de Transporte Urbano (TTU) de Foz do Iguaçu foi palco de uma importante ação voltada à conscientização sobre saúde e segurança do trabalhador, em alusão ao Abril Verde, mês dedicado ao tema.

Ao todo, a iniciativa organizada pelo Grupo Técnico da Vigilância em Saúde do Trabalhador (GTVisat), realizou mais de mil atendimentos, incluindo aplicação de questionários para identificar o conhecimento dos trabalhadores sobre seus direitos e questões relacionadas à saúde ocupacional, aferição de pressão e entrega de panfletos educativos aos usuários do terminal.

Entre os atendidos, destacam-se alguns relatos significativos, como o do motorista Joares Oliveira, que expressou sua aprovação pela iniciativa, ressaltando a importância de se manter atento aos aspectos relacionados à saúde no ambiente de trabalho.

“Já tive um acidente de trabalho em que tive uma fratura na costela, foi feita a notificação no sistema de saúde e eu fiquei 15 dias afastado do trabalho pelo INSS, recebendo os direitos. Afora isso, realizo exames preventivos todos os anos”, compartilhou Oliveira.

Levar informação aos trabalhadores atende o foco da campanha, que neste ano tem como lema ‘Da Percepção à Prevenção: Construindo Juntos um Ambiente Seguro’, enfatizando a percepção de risco, a adesão aos procedimentos de segurança e comunicação às instituições responsáveis.

“Vamos intensificar a importância da percepção, ou seja, fazer um trabalho educativo para que as pessoas possam identificar os riscos no ambiente de trabalho e notificá-los para a adoção das melhorias que promovam a segurança de todos”, explicou Eliane Preto, coordenadora da Vigilância em Saúde do Trabalhador (Visat).

Importância

A campanha é fundamental para ampliar o conhecimento sobre o tema. De acordo com a pesquisa aplicada, cerca de 84% dos entrevistados desconhecia a campanha do ‘Abril Verde’, enquanto 16% já havia escutado em algum momento da vida.  

“Percebemos que ainda há muito desconhecimento dos trabalhadores, principalmente os autônomos e na categoria das empregadas domésticas a respeito dos seus direitos ao sofrer um acidente de trabalho e o identificar e buscar os direitos”, explicou Flávia Cristina da Silva, coordenadora do curso técnico de enfermagem do colégio Jorge Schimmelpfeng.

Além do desconhecimento sobre a legislação, muitos ainda não relatam os acidentes ocorridos no ambiente de trabalho por medo de perderem o emprego.

“Muitos não sabem que tem o direito e podem se afastar pelo INSS, e que isso não implica na perda do vínculo empregatício, então a campanha também é fundamental para incentivar os empregadores a realizarem campanhas educativas para seus funcionários, abordando temas como normas trabalhistas, prevenção de acidentes e procedimentos em casos de incidentes”, acrescentou a enfermeira.

A Lei nº 6.259, de 30 de outubro de 1975 torna compulsória a notificação na rede pública e privada de saúde. Entre as doenças, estão câncer relacionado ao trabalho; Dermatoses ocupacionais; Exposição à material biológico; Intoxicações exógenas relacionadas ao trabalho; LER/DORT; Perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR); Pneumoconiose e Transtorno Mental.

Dados

De acordo com a Definição do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), em 2023 foram notificados dois casos de transtorno mental ocasionados pelo ambiente de trabalho, seis por LER (Lesão por esforço repetitivo que afeta músculos, nervos, ligamentos e tendões), 269 acidentes com material biológico e 613 considerados acidentes graves, como quedas de alturas elevadas, sem equipamentos de proteção.