25 de fevereiro de 2024

Biólogo do Ecopark participa de pesquisa sobre maus-tratos de animais em redes sociais

Biólogo do Ecopark participa de pesquisa sobre maus-tratos de animais em redes sociais

Uma pesquisa realizada pelo biólogo Antônio Carvalho, especialista no combate ao tráfico de vida silvestre na Wildlife Conservation Society (WCS Brasil) com a participação do biólogo Igor Morais, coordenador institucional do Eco Park, em Foz do Iguaçu, sobre os maus-tratos de animais nas redes sociais, foi publicada na edição de novembro da revista americana Biological Conservation, com o título: “Show de horrores: criadores de conteúdo digital lucram com crueldade animal no YouTube”.

A reportagem mostra o resultado da pesquisa feita pelos biólogos em 411 vídeos de 39 países. Foram monitoradas mais de 50 horas de vídeos.

O estudo publicado pela revista apontou que os criadores de conteúdo digital entre abril de 2022 e agosto de 2023 lucraram, cerca de US$ 1,14 milhão – R$ 5,7 milhões – com abusos contra animais em vídeos patrocinados. E que os mecanismos de remoção de conteúdo abusivo são ineficientes.

“Centenas de espécies são alvo de experimentos de caça e pesca utilizando choque elétrico e reagentes químicos, bem como de esmagamento, abates com crueldade, lutas forçadas, resgates encenados e banquetes com animais ainda vivos para entretenimento online”, alertam os pesquisadores.

O objetivo do estudo é contribuir para o fim dessa prática e chamar a atenção de anunciantes que, muitas vezes, sem saber, acabam financiando a exploração dos animais por meio de suas campanhas de marketing digital

Glamour
Além dessas situações de visível crueldade, espécies também são utilizadas em produções que glamourizam a vida animal em condições adversas, mas de sofrimento oculto.
“Em alguns casos, podemos ver que canais funcionam como zoológicos clandestinos e de baixos padrões de cuidado, que lucram através de suas produções online”, explicam pesquisadores.
Pessoas morrem produzindo vídeos

A Biological Conservation publicou também que a produção dos vídeos coloca em risco a vida animal e também a segurança das pessoas. Houve registros de mais de 120 incidentes com elefantes devido a interações sem controle ou barreira de proteção: 21% resultaram em morte humana.
No caso dos tigres, é ainda pior. Pelo menos um incidente com fatalidade é registrado por ano em zoológicos de baixo padrão nos Estados Unidos, com 42% das vítimas sendo visitantes.
“É importante que o público esteja ciente dessas informações para decidirem o tipo de instituição que visita e apoia. Existem zoológicos com excelentes padrões de cuidado e interações controladas com cunho educativo, outros não”, alertam os autores.

O Eco Park
O Eco Park é dedicado a mostrar a relação do ser humano com os animais, estimulando a conexão e o respeito à natureza. Ele funciona diariamente das 9h às 17h30. As apresentações das Aves de Rapina e do Cavalo Crioulo ocorrem em dois horários: às 10h e às 15h30 com duração aproximada de 1h30. Entre esses horários é possível conhecer a Mini Fazenda e interagir com os animais por meio de orientações da equipe.

 

Assista a entrevista –