16 de junho de 2024

Venda das casa da Vila A de Itaipu será um processo ético e transparente.

Venda das casa da Vila A de Itaipu será um processo ético e transparente.

É importante que todos saibam que não é a Itaipu que avalia os imóveis para a venda. A afirmação é de Iggor Gomes Rocha, diretor-administrativo da Itaipu Binacional, que esteve no programa Bom Dia Clube. Ele explicou como funcionará a venda de imóveis da Vila A em Foz do Iguaçu. Bem como o objetivo da operação não é o lucro, mas investimento social. Porém, sendo as casas um bem público, só pode haver venda se houver avaliação por terceiro credenciando, seguindo a NBR 14653-2: Imóveis urbanos.


A empresa não controla a valorização ou desvalorização das casas. E nem pode pressionar perito a avaliar acima ou abaixo do valor de mercado. Atendendo os pedidos das entidades que administram os imóveis (Unioeste, por exemplo), a Itaipu foi até onde a lei permitiu. Ou seja, entre valores máximo, médio e mínimo das avaliações feitas pelos profissionais, a Itaipu está aplicando o mínimo, sobre o qual há ainda uma redução por liquidação forçada; para quem não tem outro imóvel em Foz (pois o objeto do programa é garantir a moradia), há ainda mais um desconto de 25% sobre esse “super mínimo”.
E não bastasse, a avaliação parte da planta original, considerando a casa originária, ou seja, basicamente o terreno, sem benfeitorias, reformas etc., em benefício aos moradores.

Venda das casa da Vila A de Itaipu será um processo ético e transparente.


A Itaipu fez tudo que estava ao seu alcance legal para dar as melhores condições possíveis, incluindo composição de renda entre familiares para possibilitar melhores financiamentos.


E mais uma coisa: a decisão da administração anterior era de levar a leilão todas as casas, incluindo as ocupadas. Foi a atual gestão da Itaipu, alinhada com o Governo Federal, que por consideração e respeito optou pela oferta direta aos moradores. Em leilão o valor das casas poderia ser ainda maior.
É fundamental deixar claro que, se não seguir as regras legais, Itaipu está sujeita a ser responsabilizada.


Acompanhe a entrevista: