12 de abril de 2024

Surto de dengue na Argentina caminha para bater recorde



Um grande surto de dengue na Argentina caminha para bater recordes, refletindo preocupação mais ampla na América do Sul, onde o clima quente e úmido provocou um pico de casos.

Mais de 120 mil casos foram registrados até agora no período 2023/24, a maior parte nos últimos dois meses. Isso coloca o país muito à frente do mesmo período anterior, que já era o pior em registro.

“Estamos passando pelo pior surto de dengue na Argentina”, disse Mariana Manteca Acosta, diretora do Instituto Malbran e especialista em doenças infecciosas. “Há 200% mais casos do que na mesma época da temporada do ano passado”.

Sintomas da dengue incluem febre alta, dor de cabeça, vômito, irritações na pele e dores nos músculos e nas articulações que podem ser tão severas que a doença é chamada de febre “quebra-ossos”. Em alguns casos, pode causar uma febre hemorrágica mais grave, resultando em sangramento que pode levar à morte.

Houve 79 mortes até agora nesta temporada da Argentina, segundo os mais recentes dados do governo.

O Brasil também enfrenta forte aumento de casos, com a dengue se espalhando em regiões onde não era encontrada anteriormente.

A maioria dos casos geralmente ocorre durante os últimos meses do verão e início do outono no Hemisfério Sul, de fevereiro a maio, quando o clima costuma ser quente e úmido. No entanto, neste ano, uma quantidade maior de casos foi observada no começo da temporada.

Nas primeiras dez semanas do ano-calendário, houve cerca de 103 mil casos de dengue, de acordo com dados do governo argentino, mais de dez vezes os 8.343 casos registrados no mesmo período ano passado, quando o principal pico ocorreu mais tarde, em abril.

Valeria Medina, 36 anos, recebe tratamento contra a dengue em um hospital na província de Salta, no noroeste da Argentina. Ela disse que não houve conscientização suficiente sobre a doença e que algumas pessoas têm dificuldades para serem diagnosticadas e tratadas.

“É uma doença que, lá fora, as pessoas não levam muito em conta, mas é feia”, disse Medina.

O especialista em doenças infecciosas Eduardo López, do Hospital Ricardo Gutiérrez, em Buenos Aires, afirmou que esta temporada certamente superará o ano anterior.

“Com as projeções atuais, vamos superar o ano passado. Ainda temos todo o mês de abril, o resto de março e pelo menos 15 dias de maio. Então vamos exceder os 130 mil casos. Este ano será um recorde.”

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) emitiu alerta no mês passado sobre o aumento de casos na região, após o último ano registrar o maior número em décadas.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.