25 de fevereiro de 2024

Refugiados palestinos na Cisjordânia temem fim de agência da ONU



Nos campos de refugiados na Cisjordânia ocupada por Israel, os palestinos que dependem da agência das Nações Unidas UNRWA para receber educação e assistência médica temem que os principais serviços sejam interrompidos, pois os doadores suspenderam o financiamento devido a acusações de que membros da equipe participaram do ataque do Hamas em 7 de outubro.

A maior parte do foco sobre o destino da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) tem sido em suas operações de emergência na devastada Gaza, onde ela é fundamental para o esforço de ajuda aos 2,3 milhões de habitantes do enclave.

Mas a agência também é uma tábua de salvação para os refugiados palestinos em todo o Oriente Médio, inclusive na Cisjordânia, onde atende a mais de 870.000 pessoas, administrando 96 escolas e 43 instalações de saúde primária.

“Se eles cortarem a ajuda da UNRWA, não haverá nenhum tipo de ajuda para os residentes, especialmente nos campos de refugiados, porque eles dependem da UNRWA”, disse Mohammad al-Masri, morador do campo de refugiados de Dheisheh, perto de Belém.

A UNRWA anunciou no mês passado que havia demitido funcionários depois que Israel apresentou alegações de que 12 de seus 13.000 funcionários em Gaza haviam participado do ataque de 7 de outubro dos combatentes do Hamas, que invadiram as cercas da fronteira e atacaram cidades israelenses.

O grupo militante islâmico matou cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, e arrastou mais de 250 de volta para Gaza como reféns, de acordo com os registros israelenses. A guerra aérea e terrestre de Israel no enclave administrado pelo Hamas já matou mais de 28.000 pessoas, segundo as autoridades de saúde do local.

As acusações contra a UNRWA reacenderam as demandas israelenses de longa data para desmantelar uma agência que ambos os lados veem como intimamente ligada a um problema de refugiados que remonta à criação de Israel em 1948 e que está no centro de seu conflito de décadas.

Cerca de 700.000 palestinos, metade da população árabe do que há 75 anos era a Palestina governada pelos britânicos, fugiram ou foram expulsos, muitos deles se espalhando pelos países árabes vizinhos, onde eles e seus descendentes permanecem. Os acampamentos de barracas em que viviam depois de 1948 evoluíram para cidades construídas.

Sem uma solução duradoura para o conflito israelense-palestino no horizonte, eles mantêm o status de refugiados, inclusive na Cisjordânia e em Gaza, e afirmam o direito de retornar às suas casas dentro das fronteiras de Israel.

Israel sempre rejeitou isso, dizendo que eles escolheram sair e não têm o direito de voltar. No mês passado, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu renovou as exigências para que a UNRWA seja fechada, dizendo que “ela procura preservar a questão dos refugiados palestinos”.

Refugiados

Daoud Faraj tinha 10 anos de idade quando sua família se tornou refugiada. Hoje com 85 anos, ele viveu a maior parte de sua vida no campo de refugiados de Aida, na Cisjordânia, perto de Jerusalém.

“O corte da ajuda prejudicará muitas pessoas. Não só a mim”, disse ele, referindo-se aos serviços de saúde e às escolas que a UNRWA administra no campo.

A agência disse que espera que os doadores revejam suas decisões de financiamento em algumas semanas, após um relatório preliminar sobre as acusações israelenses e a forma como a UNRWA lidou com elas.

A agência disse que pode ficar sem fundos para operar os serviços até o final de fevereiro se o financiamento não for restaurado.

“É possível que a UNRWA seja forçada ao pior cenário, que é um pesadelo para nós, que é o de interromper nossas operações. Não apenas em Gaza, (mas) em outros locais onde operamos”, disse o porta-voz da agência, Kazem Abu Khalaf.

Uma investigação interna da ONU foi iniciada quando os Estados Unidos – o maior doador da UNRWA – e outros países suspenderam o financiamento após as alegações.

Do lado de fora do centro de operações da UNRWA na Cisjordânia, em Jerusalém, o vice-prefeito da cidade, Aryeh King, discursou em um protesto de israelenses exigindo que a agência fosse fechada.

“É hora de o governo de Israel decidir lidar com essa organização como um inimigo”, disse King, enquanto os manifestantes seguravam cartazes com os dizeres “Expulsem a UNRWA”.

* É proibida a reprodução deste conteúdo