29 de fevereiro de 2024

Que Merda é Essa! vai às ruas neste domingo para pregar a paz


O Grêmio Recreativo Esportivo Cultural Bloco Carnavalesco “Que Merda é Essa?!” teve o nome inspirado em antigo bloco de Olinda (PE), e estreou no carnaval do Rio de Janeiro em 1995, caracterizando-se por uma mordaz crítica política. O tema é sempre vinculado a um fato negativo em evidência no momento no Brasil ou no exterior.

Neste ano, o tema escolhido pela agremiação é Paz no Mundo. A arte é de Alecrim, artista que já acompanha o bloco há anos. “Colocamos um palestino e um israelense tomando cerveja, já fantasiados para o carnaval e desejando paz e amor”, disse à Agência Brasil o presidente do bloco, Floriano Torres. “Nosso foco vai ser em cima disso”.

Os componentes do bloco desfilam neste domingo (11). Pela manhã, sai o bloquinho infantil “Que Caquinha é Essa?!”. A concentração do bloco adulto está prevista para as 13h, no bar Paz e Amor, situado na Rua Garcia D’Ávila com Nascimento Silva, em Ipanema, “para a turma bater papo, tomar cerveja”. Às 14h, o bloco sai em direção à praia, seguindo até o Jardim de Alah, na divisa entre Ipanema e Leblon, na zona sul da cidade.

Irreverência

A cada ano, a tônica do bloco é a irreverência, abordando sempre “a merda do momento”. Floriano revelou que a turma fica aguardando os últimos meses do ano para eleger o tema político que é “merda fresca. E essa está fedorenta”, afirmou Torres. Ele defendeu a necessidade de harmonia no mundo, observando que no planeta não pode haver distinção de povos e raças. “Não existe diferença de ninguém. A coisa está muito feia, mas vamos pra frente, harmonizando a paz”.

Atualmente, existem blocos Que Merda é Essa?! em todo o país, informou Floriano Torres. “Existe até uma sede do bloco de Cabo Frio com o mesmo nome, que eu visitei no ano passado. Mas ainda é um bloco muito pequeno. Eu já encontrei uns cinco presidentes do Que Merca é Essa?!”.

Os responsáveis pelos blocos chegaram, inclusive, a discutir a possibilidade de realização de um congresso da Nação Quemerdense. “Só que os políticos não vão gostar de um congresso desse tipo. Nós já pensamos nisso. Esse é o espírito crítico do bloco”, disse Torres.

Ministros

Um dos integrantes famosos do Que Merda é Essa?! foi o economista e ex-ministro do Planejamento dos governos de Emílio Garrastazu Médici e Ernesto Geisel, na ditadura militar, João Paulo dos Reis Velloso. Floriano Torres lembrou que Reis Velloso era presença assídua no bloco.

Na última vez que participou da folia, já bem doente, o ex-ministro e primeiro presidente do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) chegou à  concentração com a esposa, uma enfermeira e alguns familiares, e todos quiseram subir no caminhão de som.

“Quando o vi subir com mais dez pessoas no caminhão de som, disse que não dava para ficar todo mundo. Aí falaram que ele era o ministro e podia”. Apesar de gostar de Velloso, porque “ele era quemerdense”, Floriano falou: “Ele é ministro mas, aqui, eu sou presidente”. E deu ordem para só Velloso, a esposa e a enfermeira subirem. “O resto tem que descer porque aqui não é palanque”, disse. O ex-ministro do Planejamento morreu em casa, de causas naturais, em 19 de fevereiro de 2019, aos 87 anos.

Outro que vestiu a camisa do bloco foi Guido Mantega, ministro do Planejamento, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ministro da Fazenda nos dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Mantega usou a camiseta do “Que Merda é Essa?!”. É um bloco de ministros, senadores”, definiu Torres, sorrindo.