16 de julho de 2024

Israel invade bairro de Gaza e ordena que palestinos sigam para o sul



Israel invadiu um bairro na Cidade de Gaza nesta quinta-feira (27), dizendo aos palestinos, conforme os tanques avançavam, que eles deveriam se deslocar para o sul. Também bombardeou a cidade de Rafah, no sul, afirmando que este é o estágio final de uma operação contra os militantes do Hamas no local.

Moradores do bairro de Shejaia disseram que foram surpreendidos por tanques que chegaram e dispararam com drones, atacando também após bombardeios durante a noite.

“Parecia que a guerra estava recomeçando, uma série de bombardeios que destruíram várias casas em nossa área e abalaram os prédios”, disse Mohammad Jamal, de 25 anos, morador de Gaza, à Reuters, por meio de um aplicativo de mensagem.

O Serviço Civil de Emergência da Palestina informou que havia relatos de pessoas mortas e feridas em Shejaia, mas suas equipes não conseguiram chegar até lá por causa da ofensiva. Três pessoas foram mortas no bombardeio anterior e cinco foram mortas no bairro de Sabra.

O braço armado da Jihad Islâmica, aliada do Hamas, disse que detonou um dispositivo explosivo pré-plantado contra um tanque israelense a leste de Shejaia.

Israel acusa os militantes de se esconderem entre os civis e diz que adverte os deslocados para que saiam do caminho de suas operações contra os combatentes.

“A todos os residentes e pessoas deslocadas na área de Shujaiya e novos bairros, para sua segurança, vocês têm que se retirar imediatamente para o sul na Rua Salah al-Din para a zona humanitária”, postou o porta-voz do Exército Avichay Adraee na rede X.

Moradores e a mídia do Hamas disseram que os tanques chegaram antes da postagem e que as pessoas do subúrbio oriental estavam correndo para o oeste sob fogo, pois Israel havia bloqueado a estrada para o sul. Não houve outro comentário imediato dos militares israelenses.

Após mais de oito meses de guerra de Israel contra Gaza, desencadeada pelo ataque do Hamas na fronteira em 7 de outubro, as autoridades de ajuda humanitária afirmam que o enclave continua sob alto risco de fome, com quase meio milhão de pessoas enfrentando insegurança alimentar “catastrófica”.

“Estamos morrendo de fome na Cidade de Gaza e sendo perseguidos por tanques e aviões, sem nenhuma esperança de que essa guerra acabe”, disse Jamal.

Desnutrição

A morte de outra menina no Hospital Kamal Adwan, na noite dessa quarta-feira, elevou o número de crianças que morreram de desnutrição e desidratação para pelo menos 31, disse uma autoridade de saúde de Gaza, acrescentando que a guerra dificulta o registro desses casos.

Israel nega acusações de que tenha criado as condições de fome, culpando as agências de ajuda pelos problemas de distribuição e acusando o Hamas de desviar a ajuda, alegações que os militantes negam.

No sul de Gaza, imagens de drones nas mídias sociais, que a Reuters não conseguiu confirmar imediatamente, mostraram dezenas de casas destruídas em partes de Rafah, com o vilarejo de Swedeya, no lado oeste da cidade, completamente destruído.

Não houve comentário israelense imediato sobre a ação militar da noite para o dia.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.