24 de abril de 2024

Federação Espanhola demite dirigentes após investigação de corrupção



A Federação Espanhola de Futebol (RFEF) demitiu na quinta-feira (21) dois dirigentes que, segundo ela, estão ligados a uma investigação de corrupção multimilionária, acrescentando que o caso provocou “danos muito graves” à imagem do esporte no país.

Pedro González Segura, diretor de serviços jurídicos, e José Javier Jiménez, diretor de recursos humanos, foram afastados de seus cargos, informou a RFEF em um comunicado.

A federação “abriu um processo disciplinar e destituiu de seus cargos e funções os gerentes relacionados ao caso jurídico”, acrescentou a RFEF.

É o segundo escândalo em menos de um ano que abala a entidade máxima do futebol espanhol, depois que o ex-presidente Luis Rubiales foi forçado a renunciar por um beijo não solicitado na boca da jogadora espanhola Jenni Hermoso após a final da Copa do Mundo de futebol feminino.

Esperava-se que o presidente interino Pedro Rocha, que anteriormente atuou como presidente da comissão econômica da RFEF, anunciasse sua candidatura na quarta-feira para substituir Rubiales após deixar o cargo de chefe da federação da região de Extremadura.

A RFEF havia convocado outros presidentes de federações regionais para uma reunião de diretoria na quarta-feira (20), que foi cancelada depois que a polícia apareceu em sua sede.

A federação também rescindiu um contrato com seu consultor jurídico externo Tomas González Cueto, da GC Legal, revogando seus poderes para representar a federação em casos legais, juntamente com seu sócio Ramon Caravaca.

A Reuters não conseguiu entrar em contato com os dirigentes demitidos e solicitou comentários da GC Legal.

Na quarta-feira (20), a polícia fez buscas na sede da federação e em um apartamento pertencente a Rubiales, prendendo sete pessoas como parte de uma investigação sobre suposta corrupção que inclui um acordo para transferir a Supercopa da Espanha para a Arábia Saudita.

* É proibida a reprodução deste conteúdo.