12 de abril de 2024

Europa deve se preparar para guerra iminente, diz premiê polonês



O primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, alertou que a Europa entrou em “era pré-guerra” após a invasão da Ucrânia pela Rússia e que o continente não está preparado. Tusk apela, por isso, aos países europeus, que intensifiquem o investimento em defesa.

“Não quero assustar ninguém, mas a guerra já não é um conceito do passado. É real e começou há mais de dois anos”, alertou Donald Tusk, em entrevista a um grupo de jornais europeus na sexta-feira (29).

“Sei que parece devastador, especialmente para a geração mais jovem, mas temos de nos habituar ao fato de que uma nova era começou: a era pré-guerra. Não estou exagerando, está ficando mais óbvio a cada dia”, insistiu.

O primeiro-ministro polonês diz que a Europa está vivendo “o momento mais crítico desde o fim da Segunda Guerra Mundial” e afirma que “o mais preocupante neste momento é que literalmente qualquer cenário é possível”.

Os avisos de Tusk surgem cinco dias depois de um míssil russo ter violado o espaço aéreo da Polónia durante ataques russos contra o território ucraniano. A entrada de um dos mísseis no espaço aéreo da Polónia levou o país a decretar o estado de alerta.

Desde então, Tusk intensificou os alertas e apelou aos líderes europeus para que reforcem o investimento na Defesa, afirmando que se a Ucrânia for derrotada pela Rússia, ninguém na Europa poderá sentir-se seguro.

Independentemente do resultado das eleições presidenciais norte-americanas deste ano, o primeiro-ministro polonês argumenta que a Europa seria um aliado mais atraente para os EUA, caso se tornasse mais auto-suficiente militarmente.

Não se trata de a Europa alcançar a autonomia militar dos EUA ou de criar “estruturas paralelas à Otan”, explicou Tusk, afirmando que todos os países europeus deveriam gastar pelo menos 2% do PIB em defesa.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, as relações com o Ocidente atingiram o ponto mais baixo desde a Guerra Fria e a OTAN tem estado em alerta para um eventual conflito a larga escala.

No entanto, o presidente russo tem rejeitado qualquer intenção de atacar um país da OTAN. A ideia foi reiterada na quarta-feira, com Vladmir Putin a classificar como “absurdo” e um “completo disparate” a ideia de que a Rússia se prepara para atacar a Europa.

Putin considera que o objetivo do Ocidente é apenas intimidar para conseguir mais dinheiro.