22 de fevereiro de 2024

Deslocamento de palestinos na guerra de Gaza assusta ONU e árabes



As ordens de Israel aos residentes palestinos para que se desloquem cada vez mais para o sul, em direção à fronteira egípcia, durante sua guerra contra o Hamas em Gaza, e a terrível situação humanitária geraram preocupações árabes e da Organização das Nações Unidas (ONU) de que os palestinos possam acabar sendo expulsos de suas terras.

Essas preocupações aumentaram à medida que as forças israelenses se preparam para um ataque terrestre na cidade de Rafah, que fica bem na fronteira com o Egito e onde centenas de milhares de pessoas deslocadas pela violência mais ao norte estão presas em condições desesperadoras.

O Egito enviou cerca de 40 tanques e veículos blindados de transporte de pessoal para o nordeste do Sinai nas últimas duas semanas, como parte de uma série de medidas para reforçar a segurança em sua fronteira com Gaza, segundo duas fontes de segurança egípcias.

Preocupações

Os palestinos há muito tempo são assombrados pelo que chamam de Nakba, ou catástrofe, quando 700 mil deles foram despojados de suas casas quando Israel foi criado em 1948.

Muitos foram expulsos ou fugiram para os países árabes vizinhos, inclusive para a Jordânia, Síria e Líbano, onde muitos deles ou seus descendentes ainda vivem em campos de refugiados. Alguns foram para Gaza. Israel contesta a versão de que eles foram forçados a sair.

Desde 7 de outubro, o conflito tem visto um bombardeio israelense sem precedentes e uma ofensiva terrestre em Gaza, devastando áreas urbanas em todo o enclave. Os palestinos e as autoridades da ONU dizem que não há mais áreas seguras dentro de Gaza para buscar abrigo.

Conflito

Antes de Israel lançar sua ofensiva terrestre em Gaza, inicialmente disse aos palestinos do norte de Gaza que se mudassem para o que dizia serem áreas seguras no sul. À medida que a ofensiva se expandia, Israel disse a eles para irem mais ao sul, em direção a Rafah.

De acordo com estimativas da ONU, até 85% dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza – uma das áreas mais densamente povoadas do mundo – já foram deslocados de suas casas e agora estão amontoados em uma área cada vez menor perto da fronteira.

Incidentes anteriores na fronteira de Gaza

Não há precedentes de pessoas fugindo em massa de Gaza durante conflitos e confrontos com Israel nos últimos anos, embora nenhuma guerra anterior tenha sido tão violenta. No entanto, houve incidentes em que a fronteira de Gaza com o Egito foi rompida, embora a travessia tenha sido feita por centenas ou milhares de pessoas, e essas pessoas não estavam buscando abrigo ou permanência.

Após a retirada de Israel da Faixa de Gaza em 2005, os palestinos romperam a cerca, com alguns escalando-a com rampas improvisadas e usando cordas. Em um determinado local, militantes palestinos bateram em uma barreira de concreto para abrir um buraco.

O Hamas rompeu a fronteira novamente em 2008, desafiando um bloqueio imposto por Israel e pelo Egito depois que o grupo tomou o controle da Faixa de Gaza em 2007 da Autoridade Palestina sediada na Cisjordânia. A fronteira permaneceu rompida por cerca de 10 dias até que o Egito a fechasse novamente.

Deslocamento durante no conflito

Muitos palestinos dentro de Gaza disseram que não sairiam mesmo que pudessem, pois temem que isso possa levar a outro deslocamento permanente em uma repetição de 1948. O Egito, por sua vez, manteve a fronteira firmemente fechada, exceto para permitir que alguns milhares de estrangeiros, pessoas com dupla nacionalidade e alguns outros deixassem Gaza.

O Egito e outras nações árabes se opõem veementemente a qualquer tentativa de empurrar os palestinos para fora da fronteira.

A escala desse conflito eclipsa outras crises ou explosões de Gaza nas últimas décadas, e o desastre humanitário se agrava a cada dia para os palestinos

Ações dos governos árabes e palestinos

Desde os primeiros dias do conflito, os governos árabes, principalmente os vizinhos de Israel, Egito e Jordânia, afirmam que os palestinos não devem ser expulsos das terras onde desejam criar um futuro Estado, que incluiria a Cisjordânia e Gaza.

Assim como os palestinos, eles temem que qualquer movimento em massa através da fronteira prejudique ainda mais as perspectivas de uma solução de dois estados – a ideia de criar um estado da Palestina ao lado de Israel – e deixe as nações árabes lidando com as consequências.

As principais autoridades da ONU acrescentaram suas vozes às preocupações sobre um deslocamento em massa.

“A expectativa é que a ordem pública se rompa completamente em breve e que uma situação ainda pior se desenrole, incluindo doenças epidêmicas e maior pressão para o deslocamento em massa para o Egito”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em 10 de dezembro.

Philippe Lazzarini, chefe da agência de refugiados palestinos da ONU, UNRWA, escreveu no Los Angeles Times em 9 de dezembro que “os acontecimentos que estamos testemunhando apontam para tentativas de levar os palestinos para o Egito, independentemente de eles permanecerem lá ou serem reassentados em outro lugar.”

Resposta do governo árabe

O governo israelense diz que só está dizendo aos palestinos para deixarem suas casas temporariamente para sua segurança, mas os comentários de alguns políticos israelenses – incluindo alguns próximos ao governo – alimentaram os temores palestinos e árabes de uma nova Nakba.

Questionado sobre a ofensiva das Forças de Defesa de Israel (IDF) e o deslocamento dos habitantes de Gaza, o ministro israelense da Agricultura, Avi Dichter, disse ao Channel 12 de Israel em 11 de novembro: “Essa é a Nakba de Gaza; operacionalmente, não há como conduzir uma guerra da forma como as IDF querem conduzi-la dentro dos territórios de Gaza enquanto as massas estão entre os tanques e os soldados.”

Dichter é membro do partido Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e também é ministro do gabinete de segurança.

Depois que o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, disse em 10 de dezembro que a ofensiva de Israel era “um esforço sistemático para esvaziar Gaza de seu povo”, o porta-voz do governo israelense, Eylon Levy, chamou esses comentários de “acusações ultrajantes e falsas.”

* É proibida a reprodução deste conteúdo