30 de maio de 2024

Ataque informático visou dados pessoais de militares britânicos



As autoridades britânicas confirmaram nesta terça-feira (7) que os nomes e dados bancários de milhares de membros das Forças Armadas britânicas foram expostos numa invasão a dados em um sistema de pagamentos.

O ministro da Defesa, Grant Shapps, vai fazer uma declaração na Câmara dos Comuns sobre o assunto. 

A estação Sky News noticiou a suspeita de que piratas informáticos chineses estejam por trás do ataque, mas o governo não confirmou a autoria. 

A Embaixada da China no Reino Unido classificou a indicação de envolvimento como “calúnias completamente fabricadas e maliciosas”.

“A China não encoraja, apoia ou tolera ciberataques. Ao mesmo tempo, se opõe à politização das questões de cibersegurança e à difamação infundada de outros países sem provas factuais”, disse um porta-voz da missão diplomática.

A fuga ocorreu num sistema de pagamento de salários de uma empresa terceirizada, que detém os dados bancários de todo o pessoal das Forças Armadas em serviço e de alguns veteranos. 

Em alguns casos, os endereços também podem ter sido expostos. Até agora, os investigadores não encontraram provas de que os dados tenham sido retirados.

Tobias Elwood, ex-militar e antigo presidente da Comissão Parlamentar de Defesa, argumentou que a ação tem todas as características de um ataque informático chinês.

“A utilização de nomes de funcionários e de dados bancários aponta para a China”, disse à BBC. “Pode ser parte de um plano, parte de uma estratégia”, acrescentou.

A notícia levou outros deputados conservadores, críticos do regime chinês, a renovar a pressão sobre o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, para endurecer a posição de Londres. 

Em março, o Reino Unido e os Estados Unidos alegaram que piratas informáticos ligados ao governo chinês tinham visado funcionários, deputados, jornalistas, empresas, ativistas pró-democracia e a Comissão Eleitoral Britânica numa campanha de ciberataques “maliciosos”. 

Os dois países impuseram sanções a várias pessoas e nomearam piratas informáticos suspeitos, que estariam vivendo na China. Pequim rejeitou as acusações.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.