21 de fevereiro de 2024

Alerta: golpistas usam nome do Procon para aplicar golpes virtuais

Entre as orientações que ajudam o consumidor a identificar golpes estão DDDs de outros estados, erros de português e informações inconsistentes, como a suposta vinculação do Procon-PR ao Ministério da Fazenda, por exemplo, ou entre órgãos que não possuem qualquer relação.

Procon oferece cursos gratuitos sobre Defesa do Consumidor

A Polícia Civil do Paraná e a Coordenação Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PR), órgão vinculado à Secretaria da Justiça e Cidadania (Seju), alertam que golpistas têm utilizado aplicativos de mensagens e portais da internet para se aproximar de pessoas utilizando o nome do Procon.

Um dos cidadãos foi lesado após receber mensagens pelo aplicativo WhatsApp afirmando que teria direito a R$ 20 mil da “Fundação Procon”, entidade que não existe. “Para ter acesso a esse valor, o consumidor deveria fazer um Pix de R$ 78,00. Infelizmente ele enviou metade do valor. Claro que era golpe, ou seja, acabou perdendo esse dinheiro”, destaca Claudia Silvano, coordenadora do Procon-PR.

Ela aponta alguns detalhes que ajudam o consumidor a identificar golpes, como DDDs de outros estados, erros de português e informações inconsistentes, como a suposta vinculação do Procon-PR ao Ministério da Fazenda, por exemplo, ou entre órgãos que não possuem qualquer relação.

“Fica o alerta. Os Procons não se comunicam com o consumidor desta maneira e não exigem, de maneira alguma, depósitos de valores via Pix ou outros canais. Se você receber uma mensagem com esse teor, bloqueie, não entregue valores, não faça Pix, porque é golpe”, acrescentou a coordenadora do Procon-PR.

De acordo com o delegado José Barreto, chefe do Núcleo de Combate ao Cibercrimes (Nuciber) da Polícia Civil, o golpe do falso Procon é mais uma das diversas modalidades de fraudes virtuais, na qual criminosos se passam por funcionários de órgãos públicos ou falsificam sites copiando o layout do Estado.

“Alertamos as pessoas que tomem muito cuidado ao fazer pesquisas nos buscadores principais da internet e ao clicarem em links patrocinados que aparecem em cima. Sabemos que órgãos do governo não patrocinam links”, afirmou o delegado, que apontou que a PCPR está tomando diversas medidas de combate aos golpistas.

Para não ser vítima, o cidadão deve sempre verificar se o final do endereço eletrônico é “.pr.gov.br” para órgãos do executivo estadual. Em caso de emissão de guia de pagamento, a orientação é que fique atento aos detalhes, como o destinatário do pagamento sendo o Governo do Paraná.

“Caso apareça alguma informação inconsistente, como o nome de uma pessoa ou erros de português, desconfie. Em qualquer situação que esteja diferente do que habitualmente você está acostumado é muito importante não fazer esse tipo de pagamento. Entre em contato por meio dos órgãos oficiais, procure fontes seguras para que você não seja vítima de um golpe”, afirmou Barreto.

 

Foto: Geraldo Bubniak/AEN